UA-85145501-1

Resenha#6: Assassin’s Creed – Renascença | Oliver Bowden

Em 28.11.2014   Arquivado em resenha

Nome: Assassin’s Creed – Renascença
Editora: Galera Record

Páginas: 378
Autor: Oliver Bowden

Sinopse: Traído pelas famílias que governam as cidades-estado italianas, um jovem embarca em uma jornada épica em busca de vingança. Para erradicar a corrupção e restaurar a honra de sua família, ele irá; aprender a Arte dos Assassinos.Ao longo do caminho, Ezio terá; de contar com a sabedoria de grandes mentores, como Leonardo da Vinci e Nicolau Maquiavel, sabendo que sua sobrevivência depende inteiramente de sua perícia e habilidade.Para os aliados, Ezio se tornará; uma força de mudança, lutando por liberdade e justiça. Para os inimigos, ele se tornará; uma ameaça, dedicado de corpo e alma à destruição dos tiranos que oprimem o povo italiano.Assim começa uma épica história de poder, vingança e conspiração. Embarque nessa aventura cheia de mistérios e lutas pelo poder, e faça parte também do Credo dos Assassinos.


Assassin’s Creed Renascença é o primeiro livro da adaptação dos jogos da Franquia, os correspondentes Assassin’s Creed II e Brotherhood . Como o jogo tem uma boa fama, confiei que a história seria boa….Bom, talvez tenha sido um dos melhores livros que já li.


O livro começa em 1476, na Itália, onde Ezio, com 17 anos e bem mulherengo, vive com sua família. É a época onde grandes cientistas e pensadores, como Da Vinci, ainda eram amadores, e onde seu sobrenome diz quem você é. A cidade também era controlada por grandes famílias, como a Médici, e intrigas estavam presentes em todo o lugar. Os Auditore era uma família em ascensão e bem influente, portanto o governo percebeu que todos os planos que tinham cairiam por terra e, se sentindo ameaçados, armaram um golpe para desestabilizar o patriarca, culminando no que transformou Ezio de um jovem despreocupado a um dos Assassinos mais firmes do Credo. Os personagens são muito bem descritos,  e o livro une fatos reais à ficção. Simplesmente perfeito!


Algumas das diferenças com o jogo foram que as lutas foram menos detalhadas, algumas resumidas aos golpes que Ezio dava e pronto. Enquanto no jogo tinhamos as quests, no livro basicamente se reuniu a assassinatos, escrituras, páginas de códex, armas, mapas e etc. Mas o que te surpreende mesmo são as últimas páginas, é muitíssimo interessante o jeito que é abordado, e o misticismo envolvido. 


A capa do livro é simplesmente perfeita e a diagramação das páginas foi pensada como se fosse um livro da época da Renascença mesmo. Porém a linguagem usada é simples. É um livro fácil de ser lido e com toda a certeza ele prende sua atenção, e não se irrite se perceber que o final da história foi meio corrido, o que te deixa ainda mais ansioso por ler a continuação Assassin’s Creed – Irmandade
Minha nota:


Espero que tenham gostado e em breve trago a resenha da continuação! Beijos e até a próxima pessoal!