UA-85145501-1

Ainda existe romantismo nos dias de hoje?

Em 26.05.2015   Arquivado em my texts
Estava por esses dias na aula e a professora comentou sobre como a definição de “romantismo” mudou tanto de uns tempos pra cá. Alguns alunos começaram a debater com ela sobre o assunto, então decidi trazê-lo para o blog.
 



Um fato: O romantismo que vivemos hoje, é bem diferente do que era conhecido nos séculos XVIII e XIX, segundo os poetas românticos Brasileiros, como Gonçalves Dias, Álvares de Azevedo e Castro Alves.

Ao longo dos anos o conceito de romantismo foi se perdendo. No passado se morria por amor, atualmente se mata por amor. Mas e nos dias de hoje, o que é ser romântico? Abrir a porta do carro, fazer um elogio, leva a pessoa amada para jantar, escrever poesias de amor? Ou mudar a foto do facebook para alguma do casal e publicar um texto enorme sobre o amor no Instagram? Existem tantas definições, podem procurar pela internet….
 
Os conceitos mudaram, e o que antes parecia ser tão doloroso, no caso do amor não correspondido hoje se torna uma disputa para ver quem “pega mais”. Mas se esquecem que há muito mais envolvido do que simplesmente um “status” de “garanhão” na sociedade. Os valores do Amor – isso, com “A” maiúsculo –  estão sendo esquecidos, e como podemos esperar românticos nos dias de hoje, se desde cedo as crianças estão expostas ao que até então era proibido a idade deles, e acabam perdendo sua pureza. Os malditos Funks e pornografias?
Ai vocês me perguntam, “Como fazer isso?” A resposta está abaixo

 “Bendito aquele que semeia livros e faz o povo pensar”. Castro Alves


LEITURA! A divulgação dos clássicos como sendo algo bom. Na escola eles “obrigam” os alunos a lerem, e ser obrigado a fazer algo não e nada legal. Epra quem está começando a ler, é complicado e denso, sei disso, mas se esforce. Converse com seus amigos, pesquise na internet, procure grupos no facebook ou até mesmo em sua escola/faculdade.
Com essa definição “atual” de romantismo, o amor daquele tempo é esquecido e poderá morrer. Não deixamos que isso aconteça.