UA-85145501-1
Categoria "filme"

Jurassic World (2015)

Em 14.06.2015   Arquivado em filme, resenha
Dia 11 de Junho estreou o novo longa da franquia, intitulado Jurassic World. 20 anos depois da tragédia do primeiro longa, parece que eles não aprenderam a lição e fizeram um parque maior. Os visitantes da nova e mais tecnológica ilha Nublar têm acesso a mais lojas de souvenires e lanchonetes e curtir atrações como montar em pequenos (e fofos) triceratops ou fazer safári entre herbívoros.

Um ótimo programa para quem adora dinossauros, como o pequeno Gray (Ty Simpkins) que, junto de seu irmão Zach (Nick Robinson), ganham entradas grátis para o parque por serem sobrinhos de Claire (Bryce Dallas Howard), a gerente do local. Tudo estava indo bem até que a equipe da engenharia genética decide criar um novo dinossauro para atrair mais público: o Indominus Rex. Claro que isso não ia dar certo. Afim de “verificar se o animal está bem”, foi chamado o ex marinheiro Owen (Chris Pratt), agora treinador de Velociraptors e especialista em comportamento animal. Ele entende os dinossauros como ninguém e logo percebe que tem algo de errado com essa experiência, tão logo quando descobriu que a fera só viveu em cativeiro durante anos e era mais inteligente que dinossauros comuns. É aí que tudo começa a desandar.

 (Sea World versão Jurássica.)

Como não poderia faltar, nesse temos muitos humanos sendo devorados, gritarias, perseguições e sangue. Além disso o filme está cheio de referências ao primeiro, o que me agradou bastante sem contar no CGI perfeito utilizado pros dinos. Há quem diga que Jurassic World é um Jurassic Park adaptado para as tecnologias atuais. Eu concordo.

Entre Abelhas – Fabio Porchat

A presença de Fábio Porchat, Luis Lobianco, Marcos Veras e do diretor Ian SBF – todos do canal humorístico “Porta dos Fundos” – pode enganar o espectador desavisado e levar a pensar que “Entre Abelhas” é uma comédia, mas não é..
Entre Abelhas conta a história de Bruno (Porchat), um rapaz melancólico que acaba de se separar de sua mulher (Giovanna Lancellotti), e volta para a casa da mãe (Irene Ravache). Além das dificuldades de readaptação, ele começa a ter outros problemas. Sem qualquer explicação, tropeça “no ar”, vê objetos inanimados se mexendo sozinhos. Logo, ele percebe que está deixando de ver as pessoas.

Enquanto a mãe (Irene Ravache) acredita na cura, e o faz procurar médicos e soluções durante o desenrolar do filme, o próprio Bruno parece ter certeza de que está num caminho sem volta, e passa os dias anotando na parede os números de rostos que ainda enxerga, cuja conta só aumenta. Sua melancolia é ainda maior porque, à sua volta, também são poucas as pessoas que o enxergam: sua ex-mulher (Giovanna Lancellotti) só quer que assine os papéis do divórcio; seu melhor amigo (Veras) só quer contar os próprios problemas. Ele está só – e só agora percebe que sempre estivera.
Um filme muito interessante, com atuações excelentes. As piadas são pensadas com mais atenção e nada está lá por acaso. A forma como o filme explora um mundo conectado com pessoas cada vez mais solitárias e “cegas” foi muito bem executada. São poucas as pessoas que lhe cumprimentam na rua, ou que dão “bom dia” para o motorista de ônibus, ou que se desculpam ao esbarrar em alguém na rua. Estão todos fechados em seus próprios problemas, que não percebem mais o mundo, nem as pessoas ao redor. É um filme que nos faz refletir e repensar os nossos atos e mudar, antes que seja tarde demais.

Os Cavaleiros do Zodíaco: A Lenda do Santuário

Em 13.09.2014   Arquivado em filme
Oi pessoal, tudo bem com vocês?
Então, aqui vai mais uma resenha de filmes, agora com “Os Cavaleiros do Zodíaco: A Lenda do Santuário”

Desde que anunciaram o filme já deixaram claro para não esperar grandes semelhanças com a saga original. Primeiro porque, se houvessem muitas semelhanças, seria mas fácil ver o anime. E segundo para chamar a atenção da nova geração, quase na mesma ‘pegada’ do Filme de DBZ, A Batalha dos Deuses.
“Jovens cavaleiros que no cinema chegaram para ver o filme. Vejam com mente aberta pra uma nova visão de tudo, deixo Athena aos cuidados de vocês ! Aiolos, Santo de Sagitário”
O filme começa com a fuga de Aioros e tem seu ápice no reencontro dos cavaleiros de bronze em defesa da adolescente Saori Kido (Athena).
A comédia deu lugar ao drama e a personalidade de cada um foi mantida: Seiya palhaço, a seriedade de Hyoga, Shiryu com sua sabedoria, Shun com sua sutileza e Ikki sendo um lobo solitário, isso sem contar a amizade dos 5. A batalha das 12 casas foi severamente modificada, lutas acontecendo simultaneamente e a transição entre algumas casas, como a de Libra, foram cortadas.
A adaptação cinematográfica mostrou a real diferença de forças entre os cavaleiros de ouro e bronze, além dos mesmos não serem cegos a presença de Saori Kido e reconhecer seu cosmo como real. Dito isso, convence-los que o Grande Mestre é um impostor não foi problema e isso foi algo que gostei bastante.

(Saori, Shun, Seiya e Shiryu – todos com S – )

 
Saga de Gêmeos ficou um vilão fantástico, sua participação trouxe muitas surpresas. Torço para que o filme tenha sequência, mostrando os deuses Poseidon e Hades.
A Dublagem foi divina!!  O esperado da Dubrasil, que manteve os dubladores originais e deu a Camus, cujo dublador, Valter Santos, falecera em 2013, uma voz que fez jus tanto ao personagem, quanto ao seu antigo dublador. (Obrigada Mauro Castro !)
Apesar de tudo, façamos nós a nossa parte, pois segundo um dos produtores ” Há mais surpresas reservadas do que as que estão neste novo filme. Mas, claro, tudo depende da bilheteria de ‘A Lenda do Santuário’.”

Frozen!!

Em 02.09.2014   Arquivado em filme, resenha
Oie galera!! Tudo em paz??
Vim hoje falar sobre um dos filmes mais importantes do ano de 2014: Frozen
Traduzido no Brasil como ‘Frozen – Uma Aventura Congelante’, ele arrecadou muitos prêmios.
A história é baseada no conto A Rainha da Neve, de Hans Christian Andersen, e  mostra a vida de Elsa e Anna, irmãs que vivem em Arendelle, um reino cercado de belos Fiordes.
Desde pequenas, Anna e Elsa são muito próximas, até que Anna sofre um acidente. Elsa nasceu com o dom de congelar as coisas e até criar objetos a partir de neve e gelo, mas ela não sabia controlar esse poder e acabou machucando, sem querer, a irmã. Por conta disso, ela se isola do mundo durante anos. Porém chega o dia em que ela, como sucessora na linha da Coroa de Arendelle, deveria se tornar Rainha.
Muitas coisas acontecem,  aparecem personagens secundários que logo cativam nosso coração, como o boneco de neve criado por Elsa, Olaf e os Trolls, familia ‘adotiva’ de Sven e Kristoff, além destes anteriormente citados.
É uma história que nos ensina sobre o amor verdadeiro entre família e sobre valorizar os amigos, além de tomar cuidado com as aparências.
Em Inglês, Let it Go, cantada por Idina Menzel – dubladora americana da Elsa -, ganhou muitos prêmios, arrancando 5 estatuetas no Oscar e agora Elsa, Hans, Anna e Kristoff vão aparecer em Once Upon a Time!! Deixou todos os fãs de Frozen e  de OUAT ansiosíssimos pela quarta temporada!!

Página 1 de 212